Foto Adriano Diogo
Buscar:
redessociaisBlogOrkutFacebookTwitterredes2

Noticias

Data - 14.01.2015

Comunidade USP programa evento para coibir trote

Presidente da CPI que investiga violações dos direitos humanos nas universidades participou da reunião.

Por ALESP

Sob a coordenação da professora Zilda Iokoi, mestre e doutora em história social pela USP, docentes, representantes da Guarda Universitária, Centro Acadêmico e estudantes debateram nesta segunda-feira, 12/1, a realização de um evento para coibir o trote praticado contra os calouros. O deputado Adriano Diogo (PT), que preside a CPI que investiga as violações dos direitos humanos e demais ilegalidades ocorridas no âmbito das universidades paulistas participou da reunião.

A data definida foi 24 de fevereiro, com início às 9h, no início da semana de recepção aos calouros (23 a 27/2). O local escolhido foi o anfiteatro da Faculdade de Medicina da USP, mas houve consenso sobre a necessidade de tornar claro que as denúncias feitas por alunos dessa instituição em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia não se restringem somente ao curso de medicina.

O nome do evento, sugerido inicialmente por integrantes do Diversitas - Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias Conflitos da USP, presidido por Zilda Iokoi, sofreu pequenas modificações e será "Democracia universitária. Ética, corpo e não opressão: nenhuma vida vale menos".

"Estamos falando de uma violência que hierarquiza classes sociais; algo forte onde o machismo se impõe, os homossexuais não podem se emancipar e vivem em guetos, de banditismo", afirmou.

O professor Marco Ackerman, da Faculdade de Saúde Pública da USP, explicou que "há um discurso forte de que o trote é necessário" nas faculdades e, portanto, sugeriu a presença de "trotistas" nesse evento para mostrar o contraditório. Outro especialista no assunto, o sociólogo Antonio Ribeiro Almeida Jr., discordou de convite aos trotistas e também do uso de palavras que remetam à cultura do trote, como calouro e veterano.

O deputado Adriano Diogo relatou casos ouvidos na CPI de violações dos direitos humanos nas universidades e afirmou que fatos já ocorridos serão apurados e que a comissão tem "uma enorme contribuição a dar" para que os trotes acabem de vez.

Adriano Diogo©Todos os direitos reservados